Festa de Santa Ana, Mãe de Maria Santíssima

Festa de Santa Ana, Mãe de Maria Santíssima

Festa de Santa Ana, Mãe de Maria Santíssima

Laudemus viros gloriosos et parentes nostros in generatione sua — “Louvemos aos varões gloriosos e aos nossos pais na sua geração” (Eclo 44, 1)

Sumário. A dignidade de Santa Ana e de São Joaquim é tão grande, que a inteligência humana não a pode compreender. São os pais de Maria Santíssima e portanto os avoengos de Jesus Cristo quanto à natureza humana. A sua santidade é proporcionada à sua dignidade, porquanto é fora de dúvida que Deus lhes comunicou graças proporcionadas ao ofício ao qual os quis destinar. Alegremo-nos com os santos esposos e vejamos se lhes temos uma devoção especial, pela imitação das suas virtudes, especialmente do seu espírito de sacrifício e do seu amor para com Deus e o próximo.

I. A dignidade de Santa Ana e São Joaquim é tão grande, que a inteligência humana não a pode compreender. São eles os pais de Maria Santíssima, quer dizer: eles deram a vida àquela que por um prodígio inaudito foi, de certo modo, admitida ao consórcio da Santíssima Trindade, por ser a verdadeira Mãe do Verbo encarnado, a Filha primogênita do Pai Eterno, a Esposa puríssima do Espírito Santo. Por causa destas exímias prerrogativas afirmam graves autores que desde a eternidade Santa Ana e São Joaquim foram, depois de Maria Santíssima, e em união estreita com ela, objeto de uma predestinação especial da parte de Deus, e unidos ao próprio Jesus Cristo, que foi feito da estirpe de Davi segundo a carne (1).

Eles são também inseparáveis da sua Filha nas promessas, nos vaticínios e nos símbolos misteriosos que a anunciaram nas Sagradas Escritura. Se Maria é aquela mulher excelsa, anunciada por Deus mesmo desde o princípio do mundo, a qual em seu tempo havia de esmagar a cabeça da serpente infernal, Santa Ana e São Joaquim são os que, dando-lhe a existência natural, fizeram esta heroína, por assim dizer, sair a campo e entrar em combate com o antigo adversário. Se Maria é o arco-íris celeste da aliança perpétua entre o céu e a terra, Santa Ana e São Joaquim são a nuvem fecunda, da qual esta íris magnifica irradia em todo o seu esplendor.

A joia, porém, mais preciosa da coroa que orna a cabeça veneranda destes santos esposos, é que, pela sua eleição para pais de Maria, foram feitos avoengos de Jesus Cristo segundo a carne. Na qualidade de avoengos aproximaram-se mais do que todos os outros santos Patriarcas, da paternidade natural do Filho de Deus e merecem mais do que eles a nossa veneração e afeto especiais.

II. Proporcionada à sua dignidade foi a santidade de São Joaquim e Santa Ana; pois é regra da Providência que Deus, elegendo alguém para algum ofício particular, lhe comunica todas as graças para o cumprir com decência. Eis porque os Padres e Doutores não se cansam de lhes elogiar as sublimes virtudes: a sua fé viva e esperança firme no Messias vindouro; a sua ardente caridade para com Deus e o próximo; a sua perfeita resignação à vontade de Deus, e sobretudo o seu espírito de sacrifício em privar-se da sua filha amantíssima, para consagrá-la ao Senhor no templo. Regozija-te com os santos cônjuges e também com a Santíssima Virgem pela glória que possuem; agradece ao Senhor em nome deles, e vê se tens uma devoção especial para com eles e lhes imitas as virtudes.

Com o coração cheio de filial veneração, prostro-me diante de vós, ó Bem-aventurada Santa Ana. Vós sois aquela criatura privilegiada e predileta que pelas vossas virtudes e santidade extraordinárias merecestes de Deus a graça suprema de dar a vida à Tesoureira de todas as graças, à Bendita entre as mulheres, à Mãe do Verbo encarnado, à Santíssima Virgem Maria.

Em atenção a tão sublimes favores, dignai-vos, ó piedosíssima Santa, aceitar-me no número dos vossos verdadeiros devotos, como protesto ser e quero ser durante toda a minha vida. Protegei-me com o vosso poderoso patrocínio e alcançai-me de Deus a imitação das virtudes que vos ornaram tão copiosamente. Obtende-me a graça de conhecer e detestar os meus pecados, um amor ardentíssimo a Jesus e Maria, a força para cumprir fiel e constantemente os deveres do meu estado. Preservai-me de todo o perigo durante a minha vida e assisti-me na hora da minha morte, a fim de ir ao paraíso para louvar convosco, ó ditosíssima Mãe, o Verbo de Deus feito homem no seio da vossa filha puríssima, a Virgem Maria.

“E Vós, ó Deus, que Vos dignastes conferir a Santa Ana a graça de merecer ser mãe da mãe de vosso Filho unigênito: concedei-me propício que, celebrando a sua festividade, seja ajudado pelo seu patrocínio” (2). Fazei-o pelo amor de Jesus Cristo.

Referências: (1) Rm 1, 3. (2) Or. festi.

(LIGÓRIO, Afonso Maria de. Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III: Desde a Duodécima semana depois de Pentecostes até ao fim do ano Eclesiástico. Friburgo: Herder & Cia, 1921, p. 337-340)

Ver todas as meditações

Recomendamos os produtos abaixo:

Compartilhe esta meditação: