Estudos

A devoção da Divina Misericórdia está condenada

A devoção da Divina Misericórdia está condenada

Como alguns de vocês devem saber, no primeiro domingo depois da Páscoa, a Igreja Conciliar celebra, desde que foi instituída no tempo de João Paulo II, de memória desastrosa, a Festa da Divina Misericórdia, eclipsando completamente a celebração, até então imóvel, de Oitavo da Páscoa.

Por este motivo, nesta "Domínica in Albis" (nomeada assim após os neófitos batizados na Vigília da Páscoa terem acabado de deixar as suas vestes brancas), também chamado Domingo de Quasimodo pelas primeiras palavras da antífona do Introito, gostaria de dedicar algumas palavras para desmascarar e lembrar a condenação da Igreja pela falsa devoção da Divina Misericórdia, agora levada aos altares.

Como sabemos, esta devoção foi relançada pelo Papa João Paulo II durante o seu longo pontificado, a ponto de definir um dia de festa em homenagem a esta devoção. Durante seu sermão por ocasião da “canonização” da Irmã Faustina, em 30 de abril de 2000, declarou que, a partir desse momento, o primeiro Domingo após a Páscoa (o segundo domingo de Páscoa de acordo com o calendário reformado do “novus ordo”) seria chamado “Domingo da Divina Misericórdia”.

Consequentemente, todos os anos, no Domingo seguinte à Páscoa, os católicos conciliares do mundo inteiro, eufóricos, lançam-se, numa espécie de fanatismo sentimental coletivo, para celebrar o “Domingo da Divina Misericórdia”. No entanto, nós, católicos, fiéis à Tradição da Igreja de vários séculos, recusamo-nos a celebrar esta festa de acordo com o calendário litúrgico de sempre. O porquê, muitos perguntarão. Vejamos.

Lembremos, em primeiro lugar, que não é uma preferência ou opinião pessoal, mas que o próprio João XXIII (o primeiro Papa da era pós-conciliar!) condenou definitivamente essa devoção em 1959, depois de também ter sido condenado por Pio XII. Em Março daquele ano, enquanto o cardeal Alfredo Ottaviani ainda era o chefe da Congregação do Santo Ofício, a Santa Sé publicou uma nota que proibia expressamente e definitivamente “o culto e a difusão da Divina Misericórdia nas formas fornecidas pela Irmã Faustina” (Acta Apostólicæ Sedis LI, 6 de Março de 1959, p. 271). Isto significava a proibição da publicação do Diário da Irmã Faustina e a sua inscrição no Índice de livros proibidos. Além disso, foi dada uma ordem expressa aos bispos para retirarem as imagens dessa devoção do culto público.


Mesmo assim, e apesar da proibição, fiel ao espírito subversivo e de ruptura que caracteriza todos os Papas pós-conciliares, Paulo VI ordenou o processo de beatificação da irmã Faustina por Antoni Mruk, jesuíta polonês, ex-prisioneiro de Auschwitz e por último Confessor de João Paulo II em 1965. [1] O processo de beatificação de Kowalska avançou mais 13 anos e a proibição de seu diário não foi retirada até 1978, quando Ottaviani já havia sido removido e Franjo Seper havia sido imposto, Presidente Fundador da Comissão Ecumênica Teológica Internacional e antecessor de Ratzinger. [2]

Assim, a primeira edição dos escritos de Kowalska apareceu em 1981. Foi acompanhada por um pequeno livro intitulado: “Minha preparação para a Santa Comunhão”. O livro foi traduzido para várias línguas e serviu de inspiração para João Paulo II, que escreveu a encíclica “Dives in Misericórdia” (Rich in Mercy) em 1980… De igual modo aconteceu com todos os ensinamentos do Concílio Vaticano II abertamente em contradição com o ensinado pela Igreja nos tempos antigos, o que anteriormente havia sido condenado pelo Santo Ofício era agora totalmente restaurado pela hierarquia da Igreja Conciliar. O plano revolucionário de subversão e auto-demolição do edifício da Igreja estava em andamento. Os modernistas primeiro atacaram a Santa Missa, o próprio coração da Igreja, reformando-a para substituí-la por um novo rito de inspiração protestante, o Santo Rosário (lembre-se das novidades introduzidas por João Paulo II) e agora era hora de adulterar as outra grandes Devoções católicas: o Sagrado Coração e o Santo Rosário.

Já em 1917, como em muitas outras aparições, a Santíssima Virgem Maria foi repetidamente enfática em sua aparição em Fátima sobre o Santo Rosário como o último remédio para o fim dos tempos: "... A Santíssima virgem disse-nos, tanto a meus primos como a mim, que dois eram os últimos remédios que Deus dava ao mundo: o Santo Rosário e o Imaculado Coração de Maria..." Contou Irmã Lúcia ao padre Fuentes em 1957. Desde então, e até sua morte (que alguns acreditam que ocorreu violentamente no final de outubro de 1958), nunca se falou em promover outra devoção.

Aqui está a proibição, como aparece nos Atos da Sé Apostólica, em sua edição de 1959. Não é preciso dizer que o Prefeito era o cardeal Alfredo Ottaviani, da época, que exercia o pontificado de Pio XII, pelo que a decisão já estava sendo estudada de antes:

« A Sagrada e Suprema Congregação do Santo Ofício está autorizada a informar que, tendo examinado as supostas visões e revelações da Irmã Faustina Kowalska, do Instituto de Nossa Senhora da Misericórdia, que morreu em Cracóvia em 1938, determinou o seguinte:
A divulgação de imagens e escritos que apresentem a devoção da Divina Misericórdia na forma proposta pela própria Irmã Faustina deve ser proibida. Apelamos à prudência dos bispos no dever de remover as imagens acima mencionadas, caso elas sejam expostas ao culto.
Dado no Palácio do Santo Ofício, em 6 de Março de 1959.
Hugo O'Flaherty, notário do Santo Ofício. »

Em primeiro lugar, ressalta a Congregação do Santo Ofício destaca o ponto “na forma proposta pela própria Irmã Faustina” (que significa: condena-se “in proprio auctóre sensu”), já que, em primeira instância, o Sagrado Coração de Jesus é o verdadeiro devoção ao amor de Deus Nosso Senhor, que agora pretende deformar e reinventar de acordo com uma nova visão distorcida da misericórdia de Deus. Outro ponto a destacar, e de que muitos desconhecem, é que as orações da Irmã Faustina são apenas uma imitação grosseira (para não dizer plágio) daquelas que foram ditadas à Irmã Maria Marta Chambon VSM pelo Rosário das Sagradas Feridas de Cristo (oração aprovada por São Pio X em 1912, concedendo-lhe 300 dias de indulgência a cada vez), uma devoção que na época era conhecida na Polônia.

Agora, a principal razão pela qual o Santo Ofício condenou e proibiu a divulgação dessa devoção é que muitas das supostas “mensagens” supostamente dadas pelo Céu à Irmã Faustina são, na melhor das hipóteses, acessos de fanatismo religioso e, na pior das hipóteses, blasfémias horríveis.

Em primeiro lugar, pretende substituir o Santo Rosário, tanto como uma oração em si (já que a coroa da Divina Misericórdia é rezada usando um rosário) com a forma de que esta nova devoção viria a contradizer o que Nossa Senhora disse aos três pastorinhos Fátima, isto é, que o Rosário foi o último remédio que Deus oferece ao mundo inteiro para sua salvação, e que depois dele, não haverá outro.

Vejamos agora alguns dos fragmentos mais controversos do Diário, onde a própria Irmã Faustina recolhe as revelações feitas, segundo ela, por Nosso Senhor Jesus Cristo. Como podemos ver, está imbuído de blasfêmias:

«Esta oração [a devoção da Divina Misericórdia] deve apaziguar a Minha ira, rezarás durante nove dias com um rosário comum, como segue: primeiro rezarás uma vez o Pai Nosso e a Ave Maria e o Credo, depois nas contas correspondentes a nosso Pai, dirás as seguintes palavras: “Pai Eterno, eu vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso Amado Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, pela remissão de meus pecados e dos de todo o mundo”; e nas contas da Ave Maria, dirás as seguintes palavras: “Por sua dolorosa paixão, tende misericórdia de nós e de todo o mundo”. Para terminar, dirás estas palavras três vezes: “Santo Deus, Santo Forte, Santo Imortal, tende piedade de nós e de todo o mundo”.» (Sábado, 14 de Setembro de 1935).
«Ofereço vos a última salvação, isto é, a festa da minha misericórdia.» (17 de fevereiro de 1937).

Da mesma forma, em suas aparições, quem parece ser “Nosso Senhor” parece lisonjear a Irmã Faustina, dizendo:

« É por isso que Me vinculo a ti tão intimamente como a nenhuma outra criatura.» (28 de Janeiro de 1938).
«Por ti paro a mão que castiga, por ti abençoo a terra.» (Maio de 1935).
«Vejo o teu amor tão puro, mais do que o dos anjos; mais, porque lutas. Por ti eu abençoo o mundo.» (Sexta-feira, 26 de Março de 1937).

Jamais, nos quase 2000 anos de misticismo católico, Jesus foi visto dirigindo-se a uma alma de forma tão desajeitadamente grandiosa! Além disso, essas declarações contradizem a sólida teologia, que ensina que nenhuma criatura, exceto a Virgem, tem uma união perfeita com Deus. E isso, em virtude de sua Imaculada Conceição e da Encarnação da Palavra.

Como resultado dessas lisonjas tão inéditas quanto desonrosas contra Maria Santíssima, a “Aparição” oferece à Irmã Faustina uma falsa garantia de sua salvação e um modo expresso de santidade pretensiosa, à imagem do que foi proclamado na nova religião conciliar:

«No momento em que me ajoelhei para cruzar minha própria vontade, como o Senhor me havia ordenado, ouvi esta voz em minha alma: A partir de hoje, não tenha medo do julgamento de Deus, pois não serás julgada.» (4 de fevereiro de 1935).
«No pequeno cacho escolhido tu és a uva doce; desejo que o suco que circula em ti seja transmitido a outras almas.» (Durante os exercícios espirituais de 4 a 12 de fevereiro de 1935).
«Diz à Superiora Geral [Micaela Moraczewska] que conte contigo como a filha mais fiel da ordem.» (Domingo 23 de maio de 1937).

Depois de receber a comunhão, a Irmã Faustina diz:

“Jesus, transforma-me em uma segunda hóstia... Tu és o grande Senhor, Todo-Poderoso, Tu podes fazer esta graça para mim.” E o Senhor me respondeu: «Tu és uma hóstia viva. »(Minha preparação para a Santa Comunhão, 10 de Janeiro de 1938).

Presunção, presunção e mais presunção!

Da mesma forma, com uma linguagem mais típica de um anjo caído, ela prega uma falsa predestinação e promessas mundanas:

«Faz saber também, minha filha, que todas as criaturas, saibam ou não saibam, queiram ou não, sempre cumprem a Minha vontade... Minha Filha, se quiseres, neste momento eu crio um novo mundo mais bonito que este e passarás o resto de teus dias nele.»

Por alguma estranha razão, esse tom “doce” e “amigável” se torna imperativo, exigindo obediência à sua locução e ameaçando os que não se submetem (muito típico também da maneira despótica e tirânica de proceder das autoridades da Roma conciliar que constantemente pregam “misericórdia” ilimitada aos inimigos de Cristo, alcançando extremos nunca antes vistos, e ainda não têm consideração na hora de punir e sujeitar aqueles que permanecem fiéis à fé e aos ensinamentos tradicionais da Igreja):

«Ó infelizes que não desfrutam deste milagre da Divina Misericórdia; pedirão em vão quando for tarde demais ”(25 de Dezembro de 1937).
«Se não adoram a minha misericórdia, morreram para sempre.» (17 de fevereiro de 1937).
«Desejo que a minha misericórdia seja venerada. » (28 de fevereiro de 1937).

O pedido “Quero que o primeiro domingo depois da Páscoa seja a Festa da Misericórdia” (Janeiro de 1934) é especialmente perverso, pois usurpa a celebração da Oitava da Páscoa, a “Domínica em Albis”, cuja solenidade é tão grande na Igreja que, como Dom Prosper Guéranger OSB explica em sua obra “O Ano Litúrgico”, não é apenas um Rito Duplo da 1ª classe, mas que nunca cede seu lugar a qualquer partido, de alto grau.

Então, quando o Diário da Irmã Faustina foi analisado por Pio XII, ele não se preocupou com as orações da devoção (que, como já dissemos, eram idênticas às ditadas pelo Céu à Irmã Maria Marta Chambon VSM), mas sim com as circunstâncias das aparições auto-proclamadas à Irmã Faustina e seu conteúdo. Ou seja, ele estava preocupado com o que Nosso Senhor supostamente disse à Irmã Faustina e quanto disto foi tornado público.

Por esse motivo, e para o bem das almas, Pio XII colocou esta devoção, incluindo as aparições e escritos da Irmã Faustina, no “Índex Librorum Prohibitorum”. O Índice de Livros Proibidos era um catálogo que indicava qual literatura (profana ou religiosa) era contrária à Fé Católica. Os católicos deveriam abster-se de ler tudo o que nela estava contido, sob pena de pecado mortal. O índice foi oficialmente abolido por Paulo VI em 14 de Junho de 1966 (mais um passo no roteiro da revolução conciliar!). Por um lado, é lamentável que não exista, mas por outro lado, se essa lista existisse hoje, seria tão extensa que ocuparia salas e salas, pois praticamente tudo o que está escrito hoje contém algo contrário à Fé Católica.

O fato de Pio XII colocar os escritos da Irmã Faustina no Índice de Livros Proibidos significa que ele considerava que o conteúdo deles poderia levar os católicos na direção errada.

Depois vieram outras proibições feitas por João XXIII. Por duas vezes em seu pontificado, o Santo Ofício da Inquisição, o órgão eclesial encarregado de supervisionar a divulgação de documentos na Igreja, a fim de preservar a pureza da Doutrina e a transmissão do Dogma da Fé (hoje denominada Congregação para a Doutrina da Fé), em ambas as ocasiões condenou os escritos da Divina Misericórdia.

O Santo Ofício estava sob o controle direto do Pontífice Romano; portanto, quando o Papa queria corrigir os fiéis em um ponto específico, ele geralmente o fazia através deste. Deste modo, as proclamações, declarações e documentos provenientes do Santo Ofício poderiam ser vistos como provenientes do próprio Papa. E não foi uma, mas duas vezes durante o pontificado de João XXIII, que essa devoção em particular foi condenada pelo Santo Ofício. A primeira condenação ocorreu em uma assembleia geral realizada em 19 de novembro de 1958. A declaração do Santo Ofício apresentou três conclusões sobre essa devoção:

1. «Não há evidências da origem sobrenatural dessas revelações.»

Isto significa que os membros do Santo Ofício analisaram o conteúdo e decidiram que não havia nada para indicar que essas aparições eram de origem sobrenatural (ou seja, do Céu). Numa aparição autêntica (por exemplo, as de Nossa Senhora de Lourdes ou Nossa Senhora de Fátima), pode-se olhar para o conteúdo e alegar que pode haver nada para afirmar que são de origem divina, mas há evidências suficientes para dizer que é possível que não sejam. Ao contrário, nas aparições da Divina Misericórdia: eles disseram que definitivamente não há evidências conclusivas de que sejam sobrenaturais

Em resumo: “Não pensamos que estas aparições venham de Deus”.

2. «A festa da Divina Misericórdia não deve ser instituída.»

Porque se é baseado em aparições que não vêm de Deus, então pode ser precipitado instituir na Igreja um banquete baseado em uma aparência falsa, com tudo o que isso implica.

3. «É proibido divulgar imagens e escritos dedicados a divulgar esta devoção da maneira descrita pela Irmã Faustina.»

Ainda hoje é proibido apresentar publicamente a imagem de Nosso Senhor com a invocação da Divina Misericórdia.

Talvez todos tenham visto a imagem original pintada por Eugeniusz Kazimirowski, mesmo que apenas de passagem, e talvez a conheça e a diferenciem. Mostra uma imagem estranha de Jesus que certamente me deixa desconfortável. Eu realmente não sei dizer o porquê. Só tem algo que eu não gosto... Eu não gosto do rosto, dos gestos, nem da postura... A imagem tem raios multicoloridos, vermelhos, brancos e azuis, que vêm da região do peito – não do coração. Nesta imagem, a Irmã Faustina disse que via Jesus como “a Divina Misericórdia” (embora o que realmente inspira seja o medo). Bem, esta imagem foi censurada pelo Santo Ofício em 1958 e 1959 (como foi a revisão de Adolf Hyła e outras versões posteriores).

Em 6 de Março de 1959, o Santo Ofício apresentou um segundo decreto por ordem de João XXIII. Mais uma vez, proibiu a divulgação das imagens da Divina Misericórdia e dos escritos da Irmã Faustina que difundiram esta devoção. Também ordenou aos Bispos que tomassem as medidas necessárias para remover as imagens que já haviam sido preparadas para a veneração pública.

Não é necessário aprofundar muito nessas declarações. Dois Papas alertaram fortemente os fiéis para o perigo de tal devoção. Pio XII colocou no Índice; João XXIII emitiu duas convicções através do Santo Ofício sobre o perigo espiritual que essa devoção traz aos fiéis. Sobre isso, o que já foi dito é suficiente. O que não deveria ter sido a surpresa dos católicos quando, em 1978, no primeiro ano de seu pontificado, João Paulo II começou a promover a canonização da Irmã Faustina e da instituição da festa do Divino Misericórdia no Domingo, ambos os projetos rejeitados e oficialmente condenados pela Igreja.

Agora, não fiquemos na superfície da condenação. Vamos começar a analisar o porquê disto. Vamos ver o perigo desta devoção.

1. Sem dúvida, o principal erro e perigo para as almas é a apresentação de misericórdia incondicional. Deixem-me fazer a seguinte comparação:

Vamos considerar a verdadeira imagem de Cristo, Nosso Salvador, provavelmente a representação mais segura Dele e a mais rica simbolicamente, depois do Crucificado, é a imagem do Sagrado Coração, porque a imagem de Nosso Senhor com o Sagrado Coração representa toda a Teologia que contém o Mistério da Redenção. Além disso, a Aurela distingue-se de Sua divindade e o Coração (e a mão direita – claramente ferida – dando uma bênção). Perfuraram suas Mãos, seus Pés e seu Sagrado Coração; a Coroa de espinhos envolve o seu Coração, que arde de amor pelos homens. Este é o preço que Ele pagou, o Sacrifício que Ele fez pela nossa Redenção. Ele se oferece pelo amor ardente por nós, apesar de sermos criaturas ingratas e rebeldes em relação ao nosso Criador. Vamos pensar sobre isso. Ele criou-nos e nós O pregamos na cruz ainda pensando que Ele era Deus e inocente de toda culpa. O Sagrado Coração representa tudo isso. Nas imagens do Sagrado Coração, Ele aponta para esta fonte simbólica de seu amor e misericórdia por nós. As devoções ao Sagrado Coração sempre envolvem reparação por nossos pecados. Somos pecadores, devemos reparar. Apesar da promessa de Nosso Senhor e do fato de que Ele pagou um preço infinito por nossa Redenção, devemos reparar. Devemos sempre fazer penitência por nossos pecados e fazer várias resoluções para reparação.


Agora, considere a imagem de Nosso Senhor representando a Divina Misericórdia. Esta é sem dúvida a imitação, ou melhor, a distorção conciliar do Sagrado Coração (mas sem o coração). Se analisar cuidadosamente, notará que na imagem não há coração, apenas alguns raios simples que saem de algum lugar no meio do peito. Nem são as feridas da paixão com que Cristo nos redimiu derramando Seu próprio sangue em pagamento pelos nossos pecados. Isso simboliza o erro da devoção da Divina Misericórdia. Prega que podemos esperar misericórdia incondicional sem nenhuma consideração, sem qualquer preço, sem obrigação. E essa não é a mensagem de Cristo.


Cristo é sem dúvida misericordioso. Vez após vez, Sua misericórdia perdoa nossos pecados repetidos no Sacramento da Penitência (Confissão). Ele sempre retorna o estado de Graça, independentemente da gravidade dos nossos pecados. E o que acontece no sacramento da Confissão? O próprio nome do sacramento nos apresenta o que acontece: a Penitência é necessária para a eficácia do Sacramento. No Sacramento, o pecador não apenas reconhece sua total submissão à Igreja e sua dependência dos Sacramentos para obter perdão, mas deve sair do confessionário com uma penitência imposta. Assim, a Confissão carrega em si a Penitência (ou satisfação do trabalho), como elemento necessário para sua eficácia. E não apenas o pecador deve cumprir plenamente essa penitência (a imposta pelo confessor), mas deve continuamente fazer penitência, sua própria penitência, e viver com esse espírito de mortificação e reparação.

O erro central da Divina Misericórdia é que ela promete muitas recompensas espirituais sem exigir penitência de qualquer classe, sem a necessidade de reparação ou qualquer outra condição.

Uma das promessas da devoção da Divina Misericórdia diz: “Através desta imagem, preencherei as almas com muitas graças, por isso, que toda alma deve ter acesso a ela”. Mas como podemos merecer sem conversão?

Infelizmente, isto corresponde muito ao que João Paulo II em sua encíclica “Dives in misericórdia”. Eu não recomendaria ler isto, exceto para aqueles que estão mais preparados, porque há coisas muito desorientadoras nele. Ressoa essa misericórdia inestimável, presentes do Céu sem exigências, a misericórdia de Deus sem mencionar qualquer tipo de penitência ou reparação pelos pecados.

Veja agora o que Saint Hildegard dizia sobre a doutrina que o Anticristo traria no fim dos tempos:

«[...] O Anticristo conquista muitas pessoas para si mesmo, dizendo-lhes que realizem livremente seus desejos, para não se mortificarem demais com vigílias ou jejum, propondo que eles amem apenas seu deus – que ele finge ser – até que assim libertados do inferno, eles voltem à vida. Portanto, enganados desta maneira, eles dizem: “Oh desgraçados daqueles que viveram antes desses tempos, porque afligiram suas vidas com duros tormentos, ignorando a compaixão de nosso deus!”»

Isso não lembra o que a devoção à Divina Misericórdia defende? Não há dúvida de que esta devoção é realmente uma devoção anticristã inspirada, não pelo Céu, mas pelo próprio diabo, a fim de arrastar muitas almas para o fogo eterno do inferno.

2. Outro aspecto a destacar é a presunção perigosa (recordemos que a presunção é um pecado grave contra o Primeiro Mandamento da Lei de Deus) que domina os escritos da Irmã Faustina.

Os escritos da freira polonesa Irmã Faustina sobre si mesma, publicados em inglês em 2007, apresentam uma atitude que dá motivo de preocupação. Este tratado de 640 páginas de diretrizes que supostamente vem de Nosso Senhor para a Irmã Faustina tem algumas coisas que, para um correto pensamento católico, são difíceis de aceitar, para dizer o mínimo. Vamos exemplificar com algumas citações de seus escritos, algumas das quais já vimos:

Em 2 de outubro de 1936, ela declara que o “Senhor Jesu” apareceu e disse-lhe:

«Agora eu sei que tu não me amas pelas Graças ou pelos presentes, mas porque minha Vontade é mais querida para ti do que a vida. Então, eu me uno a ti tão intimamente como nenhuma outra criatura.» (A Divina Misericórdia em minha alma, jornal da Irmã Faustina, Stockbridge, Massachusets: Mariana Press, 1987).

Meu Deus! Quando se viu tanto orgulho? Como podemos acreditar que Nosso Senhor está mais intimamente unido à Irmã Faustina do que à Bem-aventurada Virgem Maria? Nossa Senhora, Imaculada desde a sua Concepção, mas também uma criatura de Deus, foi criada por Ele como todos nós, exceto que lhe foi confiada uma posição muito elevada por ter sido preservada do pecado original desde o primeiro momento. Por essa razão, a teologia católica nos ensina que a única criatura em plena comunhão com Jesus desde a eternidade é Maria Santíssima. As outras criaturas recebem Jesus através de Maria. Eles esperam que acreditemos agora que Nosso Senhor disse à Irmã Faustina que Ele está unido a ela muito mais do que ninguém, ainda mais que a Bem-Aventurada Virgem Maria, e certamente mais do que todos os santos? Esta afirmação é soberba em si mesma.

Mas é que este tipo de presunção aparece em muitos outros lugares em seu trabalho. Vamos ver:

Supostamente, “Nosso Senhor” se dirigiu a ela em 23 de maio de 1937, com as seguintes palavras: 

«Amada pérola do meu Coração.»

Parece-me que isso é pura bajulação. Comparem como Nossa Senhora havia falado com a irmã Lucia ou a Saint Bernardette Soubirous... É impossível imaginar Nosso Senhor em uma linguagem tão desagradável! Nosso Senhor é Cristo Rei, Deus dos Exércitos, Criador do Universo e Dominador de tudo o que nele contém. Ele não é endereçado a ninguém como a “pérola amada do meu Coração”. Nem a Virgem Maria chamou assim a nenhuma vidente, mas sim “meu filho” ou “minha serva”...

Vamos continuar lendo. Então diz:

«Vejo que teu amor é tão puro; mais puro que o dos anjos, e ainda mais porque perseveras na luta. Por tua causa, eu abençoo o mundo. » (Ibidem, p. 400).

Antes de tudo, exceto a Bem-aventurada Virgem Maria, não somos preservados do pecado original; portanto, não somos capazes de um amor mais puro do que os anjos. Além disso, “abençoar o mundo” pode até ser bonito. Se tivéssemos um verdadeiro santo no mundo, então Nosso Senhor nos concederia graças e bênçãos através desse santo. Portanto, minha objeção não segue esse caminho. Minha objeção é que essa revelação foi feita em 1937, sendo o mundo no início da Segunda Guerra Mundial, sobre o qual a Irmã Lúcia havia sido avisada por Nossa Senhora em Fátima: se a Rússia não fosse consagrada ao seu Imaculado Coração, e o homem não fosse convertido, um grande desastre aconteceria à humanidade por seus erros e pecados. No entanto, a Irmã Faustina anunciou uma era de paz e bênção. A Segunda Guerra Mundial foi uma bênção para o mundo? Não. O que aconteceu foi uma grande guerra, talvez a mais mortal da história. De fato, a Polônia foi o primeiro país a sucumbir às armas nazistas em 17 de Setembro de 1939.

Outro exemplo. A Irmã Faustina afirma que “Nosso Senhor” disse-lhe que estaria isenta do julgamento, de todo julgamento – o julgamento particular e o julgamento universal. Em 4 de fevereiro de 1935, ela disse ter ouvido essa voz em sua alma:

«A partir de hoje, não tenha medo do Julgamento de Deus, pois você não será julgado. » (Ibidem, p. 168).

Agora, sejamos claros: a teologia católica ensina que ninguém, exceto a Virgem Maria, está livre do Julgamento particular ou universal, porque está assim escrito:

«Foi estabelecido aos homens que eles morrem apenas uma vez, e então vem o Julgamento . » (Hebreus IX, 27).

Adicione-se a estes exemplos a alegação presunçosa de que a Hóstia saltou do Tabernáculo três vezes e pousou em suas mãos, depois que ela tentou devolvê-lo abrindo a porta do Tabernáculo:

“E a Hóstia saiu do Tabernáculo e veio descansar em minhas mãos, e eu alegremente a coloquei de volta no Tabernáculo. Aconteceu uma segunda vez e eu fiz exatamente a mesma coisa. Apesar disso, aconteceu uma terceira vez. (…) Quando o sacerdote se aproximou novamente, dei-lhe a Hóstia para colocar no cálice, porque, no primeiro momento, tendo recebido Jesus, não podia dizer que a outro havia caído somente depois de passar por ele. Quando eu tinha a Hóstia em minhas mãos, senti tanto amor que durante o dia inteiro não pude comer nada, nem recuperei a consciência. Da Hóstia, ouvi estas palavras: queria descansar em tuas mãos, não apenas em teu coração. » (Ibidem, p. 23).

Quantas vezes a Igreja declarou que apenas as mãos de um sacerdote são consagradas para levar as espécies Sagradas? E que tipo de lição eles estariam a dar ao mundo com este exemplo da Hóstia caindo em suas mãos para que ela própria o devolvesse ao Tabernáculo? Será que a irmã Faustina queria, além de instituir a festa da Divina Misericórdia, promover o sacrilégio da comunhão na mão? Nosso Senhor não pode contradizer a si mesmo ou a Sua Igreja, nem com palavras nem com obras. E é exatamente isso que acontece aqui. Conforme ela relata, esse gesto poderia muito bem significar que “Nosso Senhor” contradiz, com esse evento, o dogma de Sua Presença Real no Santíssimo Sacramento com tudo o que isso implica, como o de que somente os sacerdotes podem tocar com as mãos a Forma Sagrada.

Em suma, toda a devoção da Divina Misericórdia não representa o espírito católico da vida, que não é outro senão reparar constantemente em penitência por nossos pecados e pedir a Deus por seus dons e graças para obter Sua Misericórdia nesta vida.

Portanto, o pano de fundo desta devoção é mais do que questionável. E precisamente por este motivo, é imprudente instituir uma devoção específica com suas próprias férias, com base em algo que foi condenado por muito boas razões no passado recente.

Agora é verdade que as orações da devoção da Divina Misericórdia são perfeitamente "ortodoxas", por assim dizer. Católicas, em segundo plano. Não há nada de herético ou presunçoso nestas orações, mas é necessário lembrar as razões pelas quais a prática desta devoção foi condenada e que, se recusarmos celebrar a festa da Divina Misericórdia, é para todo o contexto e conteúdo das mensagens e revelações, e não para as orações propostas no Diário da Irmã Faustina. Por tudo isso, para aqueles que o desejam, não há problema em fazer essas orações, uma vez que não são condenadas em si mesmas (na verdade, já vimos que são uma cópia das orações ditadas pelo Céu à Irmã María Marta Chambon VSM por o Rosário das Sagradas Feridas de Cristo, uma oração que foi aprovada por São Pio X em 1912). O problema, então, está em todo o contexto em torno destas revelações, que foi o que levou à condenação mais do que sábia e prudente do Santo Ofício.

Sei que existem pessoas, possivelmente até alguns de vós que estão lendo estas linhas, que receberam grandes favores por fazer a devoção da Divina Misericórdia. Mas isso não significa necessariamente que esta devoção vem do céu. Precisas de saber discernir corretamente. Deus sempre ouve nossas orações. A oração nunca cai em ouvidos surdos. Quem ora com fé e se esforça para agradar a Deus recebe as graças que a Divina Majestade considera apropriadas para sua santificação.

Sempre, sempre, sempre, quem ora receberá alguma graça por suas orações, por mais humildes ou estranhas que sejam. Por exemplo, considera o exemplo daquele peregrino que realiza uma peregrinação para orar diante do túmulo de algum santo. Ele faz com devoção a peregrinação e, ao chegar, pensa que se ajoelhará diante do túmulo corretamente para venerar o santo de sua devoção. No entanto, vamos imaginar que ele não foi enterrado naquele cemitério onde está o nosso peregrino, mas ele foi enterrado em uma igreja próxima. Apesar disso, sem dúvida, Deus concederá graças e favores pelo esforço e desejo de honrá-Lo e reparar os seus pecados.

Deus olha o coração e a fé daqueles que O imploram. Basta orar com fé para ser ouvido. Deus sempre responderá às nossas orações. Portanto, por mais que escutemos certas pessoas afirmando ter recebido favores por meio dessa ou daquela devoção, lembremos que isso não significa que ela deva provir do Céu. Certamente, todas as misericórdias vêm do Céu. Mas talvez esta devoção não o faça.

Tomado de Ignácio Vaz Romero Trueba

Notas:

[1] Antoni Mruk SJ, “O difícil caminho do processo de beatificação da Serva de Deus Irmã Faustina Kowalska”. Em “A Missão da Irmã Faustina”, Simpósio da Divina Misericórdia em Kraków-iewagiewniki (18 a 20 de fevereiro de 1988). Cracóvia, 1991, p. 9-22.

[2] Notificação de 30 de junho de 1978, publicada em Acta Apostólicæ Sedis LXX, p. 350.

Continue lendo:

Vale a pena ler também:

Recomendamos os produtos abaixo:

Compartilhe este texto: