Doutrina, Modéstia

Pureza e pudor das crianças

Mãe e filha rezando

Uma criança sem pudor nunca terá pureza, enquanto que uma criança que pratica normalmente atos inspirados pelo pudor estará nas melhores condições para alcançar a virtude.

O pudor é a disposição instintiva, natural às almas retas, que conduz à reserva, à dignidade, ao bom porte, ao respeito de si e dos outros, tanto interna como externamente, tanto em particular como em público, tanto no espírito, no coração e na imaginação como nas palavras, olhares e gestos. O pudor pode e deve ser considerado como a defesa natural e providencial da virtude da pureza.

O pudor preserva a intimidade da pessoa. Consiste na recusa de mostrar aquilo que deve ficar escondido. Está ordenado à castidade, exprimindo sua delicadeza. Orienta os olhares e os gestos em conformidade com a dignidade das pessoas e de sua união. O pudor protege o mistério das pessoas e de seu amor. Convida à paciência e à moderação na relação amorosa; pede que sejam cumpridas as condições da doação e do compromisso definitivo do homem e da mulher entre si. O pudor é modéstia, inspira o modo vestir, mantém o silêncio ou certa reserva quando se entrevê o risco de uma curiosidade malsã. Torna-se discrição” (Catecismo da Igreja Católica, 2521, 2522).

É deveras importante acostumar as crianças à decência, ao respeito a si próprias, numa palavra, inspirar-lhes um grande pudor. Alguns exemplos para inspirar o pudor às crianças:

  • Ensinar desde a mais tenra idade a evitarem ver certas imagens e videos indecentes;
  • Proibir a nudez;
  • Ensinar as crianças a nunca se mostrarem seminuas ou vestidas imodestamente;
  • Evitar que fiquem em posições indecentes;
  • Dar exemplo vestindo e agindo com modéstia.

Para proteger as crianças é preciso proceder de tal forma que não vejam nem ouçam nada que seja susceptível de alterar nelas o sentimento do pudor. Para isso haverá a preocupação da virtude na escolha dos vestidos, na vigilância dos olhos, nas condições do sono, na determinação de tudo o que possa ferir os olhos e os ouvidos nos diversos meios por que tenham de passar.

As mães de família, que cuidam da roupa de seus filhos, deverão escolher roupas que não ofendam o pudor dos filhos ou das filhas, mesmo em casos de acidente ou duma grande exuberância de movimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *