Carrinho de compras

Você ainda não adicionou nenhum produto em seu carrinho de compras.

Santa Brígida da Suécia

Santa Brígida e a visão dos inimigos infiltrados na Igreja

Santa Brígida, da Suécia, foi uma das mais conhecidas Santas da Idade Média. Fundou a Ordem das Religiosas de São Salvador, mais conhecida como Ordem das Brigidinas. Ela promoveu a reforma da Igreja que começava a dar sinais de decadência com o fim da Idade Média. Foi também grande mística, favorecida com visões e revelações relativas à Igreja. Santa Brígida também foi uma das inúmeras Santas que nos alertaram contra a imodéstia.

Referindo-se aos Últimos Tempos, disse: “40 anos antes do ano 2000, o demônio será deixado solto, por um tempo. Quando tudo parecer perdido, Deus, mesmo de improviso, porá fim à maldade”. O sinal desses eventos, continua Santa Brígida, será: “Os sacerdotes deixarão de usar hábito santo e se vestirão como pessoas comuns; as mulheres se vestirão como os homens e os homens como as mulheres.”

Na nossa época, atingida por males derivados daquela mesma decadência da Igreja, os escritos místicos da Santa atraem especialmente o interesse dos católicos perplexos pela crise religiosa e eclesiástica universal. Santa Brígida é co-padroeira da Europa.

Os inimigos infiltrados na Igreja em nome da hipocrisia perseguem e ferem ferozmente os bons. Uma falsa pregação acompanhada de uma perseguição sorrateira ao bem, atrai a cólera divina.

Mas Nossa Senhora obtém a verdadeira misericórdia para os bons e Deus decide reedificar a Igreja Militante, premiando aos bons e fazendo sentir o rigor de sua justiça para os maus e hipócritas impenitentes.

A concordância desta visão com os anúncios do Segredo de La Salette salta aos olhos e dispensa comentários.

Nosso Senhor apresenta à Santa Brígida uma nobre fortaleza que simboliza a Igreja Militante infiltrada pelos seus inimigos. Mas, lhe mostra que essa Igreja merecedora da punição da justiça será reconstruída em virtude das orações da gloriosa Virgem e dos Santos.

“Eu sou o Criador de todas as coisas. Sou o Rei da gloria e o Senhor dos anjos. Construí para Mim uma nobre fortaleza e tenho colocado nela os meus eleitos.

Meus inimigos têm corrompido seus fundamentos e tem dominado meus amigos amarrando-os ao pelourinho a ponto de fazem sair a medula dos ossos de seus pés. Suas bocas são apedrejadas e são torturados pela fome e a sede.

Assim, os inimigos perseguem o seu Senhor. Meus amigos estão agora gemendo e suplicando ajuda; a justiça pede vingança, mas a misericórdia invoca o perdão.”

A Corte celeste vota pela execução da terrível justiça divina. Então, Deus disse à Corte Celestial ali presente:

O que pensais dessas pessoas que têm assaltado minha fortaleza?

Eles, a uma voz responderam:

Senhor, toda a justiça está em Ti e em Ti vemos todas as coisas. A Ti foi dado todo juízo, Filho de Deus, que existes sem princípio nem fim, Tu és seu Juiz.

E Ele disse:

Como todos sabeis e vedes em Mim, pelo bem da Minha Esposa, decidam qual é a sentença justa.

Eles disseram:

Isto é justiça: que aqueles que derrubaram os muros sejam castigados como ladrões; que aqueles que persistem no mal, sejam castigados como invasores, que os cativos sejam libertados e os famintos saciados.

Então Maria, a Mãe de Deus que a princípio havia permanecido em silencio, disse:

Meu Senhor e Filho querido, tu estiveste em meu ventre como verdadeiro Deus e homem. Tu te dignaste a santificar-me a mim que era um vaso de argila. Eu te suplico, tem misericórdia deles uma vez mais!

O Senhor respondeu a sua Mãe:

Bendita seja a palavra de tua boca! Como um suave perfume sobe até Deus. Tu és a glória e a Rainha dos anjos e de todos os santos, porque Deus foi consolado por ti e a todos os santos deleitas. E porque tua vontade tem sido a Minha desde o começo de tua juventude, uma vez mais cumprirei o teu desejo.

Então Ele disse à Corte Celestial:

Porque haveis lutado valentemente, pelo bem da vossa caridade, terei piedade por ora.

Vede, reedificarei meu muro pelos vossos rogos.

Salvarei e curarei os oprimidos pela força e os honrarei cem vezes pelo abuso que sofreram.

Se os que fazem violência pedem misericórdia, terão paz e misericórdia. Aqueles que a desprezam, sentirão Minha justiça.

Retirado do livro “As Profecias e Revelações de Santa Brígida da Suécia”.

Artigo de quinta-feira, 17 de agosto de 2017.

Tags: igreja inimigos

Compartilhe no WhatsApp