Carrinho de compras

Você ainda não adicionou nenhum produto em seu carrinho de compras.

Mulher imodesta usando calças e blusa muito decotada

Imodéstia no vestir

O vestir para homens e mulheres mudou dramaticamente nos últimos cinquenta anos. Grande parte do que é usado hoje é para expor, em vez de ocultar o corpo humano. Durante séculos, os cristãos olharam para a virtude da modéstia, tal como se aplica à vestimenta para julgar o que é apropriado.

A tradição católica nos deu uma valiosa definição de modéstia, que é a virtude que regula as ações e os costumes exteriores em relação às questões sexuais. Ele controla o comportamento de alguém para evitar a excitação sexual ilegal em si mesmo ou em outros.

Vestir-se modestamente é evitar deliberadamente causar emoção sexual em si mesmo ou em um alguém. Aquele que se veste modestamente evita roupas que são conhecidas ou razoavelmente esperadas para excitar sexualmente a si mesmo ou outros. A modéstia pertence a ambos os sexos.

O Papa Pio XII (1939-1958), em harmonia com o Magistério e os autores espirituais ortodoxos, abordou a necessidade de cultivar o modéstia:

“Quantas garotas são jovens que não vêem nada de errado em seguir certos estilos sem vergonha, como muitas ovelhas. Eles certamente corarão com vergonha se pudessem saber a impressão que eles fazem, e os sentimentos que eles evocam, naqueles que os vêem.

O bem da nossa alma é mais importante do que o bem do nosso corpo, e temos que preferir o bem-estar espiritual do nosso próximo aos nossos confortos corporais… Se um certo tipo de vestido constitui uma ocasião grave e próxima do pecado e põe em perigo a salvação de sua alma e dos outros é seu dever não usá-lo…

Meninas cristãs, pensem também nisso: quanto mais elegante você for, mais agradável você será, se você se vestir com simplicidade e modéstia.

Existe uma “linguagem de roupa” que comunica certas mensagens, mesmo destrutivas. Aquele que, com conhecimento e deliberação, se vestir de forma provocativa para seduzir outro a impureza comete um pecado mortal. As almas de ambos estão feridas.

Jesus exigiu pureza em olhares, pensamentos, desejos e ações e advertiu contra o escândalo, profetizou que a cidade de Sion seria sujada pela impureza das filhas. (cf. Isaías 3, 16-24)

O Papa Pio XII declarou:

“Pode-se dizer que a sociedade fala através da roupa que usa. Através da sua roupa revela suas aspirações secretas e a usa, pelo menos em parte, para construir ou destruir o futuro.”

Os designers de moda, os críticos e os consumidores devem recordar que “esse estilo deve ser direcionado e controlado em vez de ser abandonado ao capricho e reduzido ao serviço abominável”. Aqueles que “fazem estilo”, não podem permitir que a “mania” dite quando essa tendência particular vai contra o direito e a moral estabelecida. Os consumidores devem lembrar que “sua dignidade exige que eles se libertem com consciência livre e esclarecida da imposição de gostos predeterminados, especialmente os gostos discutíveis por motivos morais”.

O respeito por uma medida padrão é “moderação”. Ele fornece “um padrão para regular, a todo custo, a ganância pelo luxo, ambição e capricho”. O Papa Pio exortou: “Os estilistas, e especialmente os designers, devem se guiar pela moderação ao projetar o corte ou a linha de uma peça de vestuário e na seleção de seus ornamentos, convencidos de que a sobriedade é a melhor qualidade de arte”.

Quando a decência cristã está presente, o vestido de alguém é “o adorno digno da pessoa com cuja beleza ela se mistura como num único triunfo de dignidade admirável”.

Não é necessário usar roupas populares há décadas para ser modestas; No entanto, existem padrões que são tão básicos que transgredi-los, independentemente da era, da boa intenção ou ignorância, é ofender contra a decência.

A roupa imodesta não contribui para a promoção da pessoa humana nem para o estabelecimento do Reino de Deus. A modéstia praticada por Jesus, Maria, José e os santos é um modelo a ser seguido e indispensável para todos nós.

Retirado e adaptado do livro “Queenship Publishing Company”. Monsenhor Charles M. Mangan.

Artigo de domingo, 3 de setembro de 2017.

Tags: imodéstia roupa saia vestido

Compartilhe no WhatsApp